Publicado em: 1 de junho de 2020

Oie! Tudo bem contigo? Espero que sim!

 

Deixa eu te fazer uma perguntinha: quantos vídeos você viu hoje? Pode ter sido no seu celular, redes sociais ou alguma série na Netflix.

Na nossa vida, e no mercado de trabalho, os vídeos têm ocupado mais e mais espaço como uma estratégia de marketing. E agora, vou te mostrar como você pode entrar nesse mundo.

Bora saber mais?

 

Videomaking: um mercado em crescimento!

Bons Resultados

Uma pesquisa da  The State of Video Marketing 2018, feita pela Wyzowl, mostra como 81% dos negócios utilizam vídeo como ferramenta de marketing. Bastante gente, certo? Dentro desses 81%, 78% dos profissionais entrevistados disseram que o vídeo traz um bom retorno sobre investimento (ROI).    

Essa mesma pesquisa, também mostra que 81% dos consumidores já se convenceram a comprar um produto ou serviço depois de assistir a um vídeo. Interessante, né?

Ou seja, um primeiro indício de que o uso de vídeos é uma tendência do mercado é como um material em vídeo vale o investimento. afinal, ele converte mais cliente e traz mais resultados significativos para a empresa.

 

É o que mais se consome.

Dá uma olhadinha essa outra pesquisa aqui: a empresa Cisco prevê que o tráfego de vídeo irá representar 82% de todo o tráfego da internet até 2022.

82%! É muita coisa. Ou seja, praticamente todo mundo vai estar fazendo algum tipo de vídeo na internet nos próximos anos. Criar vídeos não vai ser mais uma questão de diferenciação e sim de necessidade.

 

É mais fácil de assimilar.

Explicar mensagens complexas são muito mais fácies por vídeo! É claro, demandam uma boa edição e produção. Mas, de uma maneira geral, em um vídeo você consegue ser mais claro, visual e deixar sua mensagem mais didática. É claro que algumas pessoas preferem sempre a leitura, como você que está aqui agora, e você não precisa abandonar esse público. Mas, a cada dia os mais jovens e as redes sociais estão mais acostumados com vídeos. E seria legal você se inserir neste mercado também!

Pra mostrar um exemplo, olha como um assunto muito complexo pode ser muito bem explicado em vídeo como faz o Atila no canal Nerdologia.

 

 

Diversos Formatos

Cursos online: uma estratégia que está sendo adotada por muita gente é fazer cursos online, onde o aluno ao assistir vídeos, consegue assimilar o conteúdo. Claro, isso não substitui a necessidade de um professor para tirar dúvidas ou fóruns para debates virtuais. Mas, é preciso olhar para esse mercado de educação que cresce a cada dia mais.

Webinars: são como se fossem palestras online. São vídeos um pouco mais longos, mas muito instrutivos para quem assiste. É realmente poder assistir a uma palestra sem sair de casa.

Lives: as lives são vídeos ao vivo, que podem ser rápidos ou mais longos, e servem para permitir que o público interaja durante a transmissão. A dificuldade é que é tudo ao vivo! Então, a pessoa que estiver na frente da tela vai precisar estar bem preparada e com o discurso na ponta da língua. Ou então, pronta para discutir com as pessoas, responder perguntas e conversar tranquilamente.

Vídeos para redes sociais: geralmente, esses são vídeos mais curtos, de 30 segundos a 10 minutos, em média. Eles trazem uma dica sobre algum tema específico para quem segue as suas redes sociais. É um conteúdo mais pontual, mas vai sempre alimentando seu público e o mantendo informado.

 

Como eu faço para me tornar um videomaking?

Vou trazer o vídeo de alguns especialistas no assunto pra gente discutir:

Daniel Cajal trabalha há muitos anos no mercado de Edição e hoje tem sua própria produtora. O canal deles é bem legal, recomendamos bastante!

Bom, agora vamos para as dicas que ele nos trouxe.

Faça com o que você tem na mão: você só tem o seu celular? Ou uma câmera não muito boa? Não tem problema! É daí mesmo que você deve começar. Não espere ter o material perfeito. Até porque, você vai evoluindo e treinando para quando tiver um material mais profissional na mão saber como utilizá-lo. Ou seja, videomaking não é ter uma câmera top das galáxias. É fazer vídeo como der!

Faça vídeos sobre o que você gosta: um canal com as suas receitas favoritas? Ou você é fã de esportes? Busque aquilo que te empolgue e comece a fazer vídeos sobre isso!

Encontre referências e as copie! Parece estranho dar essa dica, né? Copiar as pessoas é algo muito comum quando você está começando. Não tenha medo nem vergonha de fazer isso! Com o tempo você vai desenvolvendo o seu próprio estilo. Mas isso leva alguns anos de prática. Então, até lá, podemos copiar à vontade.

Antes feito que perfeito: a frase já diz tudo, né? Não deixe de finalizar um projeto porque você não achou que ele ficou bom o suficiente. No começo é assim mesmo. Tem um ditado dentro do ramo do empreendedorismo que é “fail fast”, ou seja, erre rápido. Afinal, quanto mais cedo você errar, mais cedo vai aprender e evoluir.

Perseverança: bom, essa dica é até um resumo das anteriores. Não desista! Os seus vídeos não vão ficar perfeitos no começo, nem com a qualidade que você gostaria, mas se você continuar trabalhando, um dia vai chegar onde gostaria. É isso que vai fazer você conseguir entrar no ramo de videomaking.

 

Esse já é um vídeo um pouco mais voltado pra parte técnica de direção e montagem (se quiser saber o que é isso clica aqui!) de um filme, que também faz parte da profissão de videomaking.

Mas a principal dica que Daniel Marvel traz nesse vídeo é o seguinte: seu vídeo precisa contar uma história!

E isso vale pra qualquer formato que você for fazer. Contar uma história significa ter uma objetivo. Significa que tudo que está ali tem um propósito. Pense sempre nisso quando for fazer um vídeo para algum canal seu ou da sua marca. Com quem eu estou falando? Que mensagem estou transmitindo que história eu estou contando? Pensar nisso, faz parte do videomaking também.

 

Edição de vídeo:

Essa é a parte na qual a gente é especialista! Na prossifão de videomaking, além de saber sobre o que você vai filmar e como filmar, vai chegar a hora de também editar o seu vídeo. Para isso, você vai precisar entender dos programas de edição do mercado. Entre os mais utilizados estão: Adobe Premiere e Adobe e After Effects.

O Premiere é o programa responsável pela primeira parte da edição que é: fazer os cortes, selecionar as cenas, pensar nas transições de uma cena para outra, colocar uma trilha sonora e etc. (a gente fala mais sobre as funções desse programa neste texto aqui!)

Já o After, é onde acontece a pós-produção do vídeo. Ali você cria vinhetas, corrige aspectos de luz e cor do vídeo que geralmente são mais complexos. Adiciona animações, formas em 3D e outros tipos de efeitos especiais (também falamos mais deste programa aqui!)

Existe também o Sony Vegas, uma versão mais simplificada do Adobe Premiere, mas muito boa também!

O grande diferencial de saber como mexer nesses programas é que eles podem tornar seu vídeo mais profissional. Afinal, é na edição que você conseguir colocar vinhetas e adicionar alguns efeitos no seu vídeo que fazem toda a diferença!

 

Bora entrar nesse mundo?

Confira nossos cursos online na área aqui:

Curso de Edição de vídeo Online e Presencial.

 

Leia também: 

Como trabalhar com edição de vídeo? Quanto ganha? 

Como trabalhar com mídias digitais e WebDesign?

 

COMPARTILHE ESSE POST