Publicado em: 1 de junho de 2020

Olá! Como você está hoje? Espero que bem!

 

Todas essas dicas vem do Instituto “Find Inside Yourself – Leadership Institute”. Que quer dizer: “Encontre dentro de você – Instituto de Liderança.”

E algo muito importante em relação aos estudos deste Instituto é que ele nos mostra como todos nós somos líderes em algum level.

Você pode ter um cargo de liderança no trabalho. Mas também pode ser um irmão mais velho. Pode ser um pai ou uma mãe. E acima de tudo, você lidera a sua própria vida.

 

A verdade é que, a partir de 2020, a liderança precisará ser mais humana do que nunca.

Bora falar mais sobre isso?

Quem tá pronto pra ser líder?

 

Primeiro passo: comece com você.

Antes de todos, somos líderes de nós mesmos. Definimos as nossas atitudes e também avaliamos os nossos erros. Portanto, a primeira forma de aprendermos a ser um bom líder para qualquer pessoa é começando a liderar bem as suas atitudes, condutas e formas de pensar.

Isso pode parecer simples. Mas é aí que realmente mora o desafio. O que é ser um bom líder para mim? Eu me mantenho motivado? Eu mesmo me inspiro? Eu reconheço meus defeitos, minhas habilidades? E como eu lido com meus erros? Me culpo ou sou paciente?

Tudo aquilo que você fizer com você é como irá liderar as outras pessoas, também. E o quão bom líder você é para si mesmo é o que vai fazer com que as pessoas também o queiram como um líder.

Mas o que faz um bom líder? Aqui vão as 5 características levantadas pelo Instituto “Find Inside Yourself”.

 

1. Empatia

Uma pesquisa da Harvard Business Review mostrou que 91%  de mil líderes nas empresas colocaram “compaixão” como “muito importante” para sua liderança.  E ainda, 80% disseram que gostariam de aumentá-la, mas não sabiam exatamente como.

Bom, mas o que de fato é empatia? E realmente temos como treiná-la e aumentá-la?

Definição

Primeiramente, vamos para a definição da palavra. Empatia é definida no dicionário como: “capacidade de se identificar com outra pessoa, de sentir o que ela sente, de querer o que ela quer, de apreender do modo como ela apreende etc.”  Ou seja, é a capacidade de olhar o mundo como a outra pessoa vê. Mas agora, vamos sair um pouco da definição do dicionário e ver um exemplo que ajude a gente a entender empatia na prática. Olha só esse vídeo:

Simpatia: é conseguir ver como a pessoa está se sentindo.

Empatia: é se conectar com algum sentimento dentro de você que faça você se sentir como aquela pessoa se sente.

Podemos treinar empatia? 

Sim! É o que afirma o Filósofo e estudioso da área Roman Krznaric. Segundo ele, empatia não é somente “colocar o sapato do outro” levando junto consigo seus preconceitos e esteriótipos. Mas sim, trabalhar para ampliar a nossa visão além dos preconceitos que temos.

Ele aponta os seguintes caminhos para alcançar uma maior empatia:

Desde pequeno: a empatia pode ser treinada desde criança. E podemos fazer isso com a próxima geração. Existe uma inciativa chamada “Raiz da Empatia”, que utiliza um bebê para treinar empatia em turmas do ensino fundamental. Eles brincam e tentam entender o bebê: o que ele está fazendo? Por que está rindo? Por que está chorando? Os resultados mostrados foi um aumento do senso de cooperação dos alunos e uma diminuição do bullying na escola.

Aumentar a nossa curiosidade: e nós adultos? Como aumentamos a empatia? Uma maneira é aumentando a nossa curiosidade por pessoas estranhas, recomenda Roman. Parar e conversar com elas sobre a vida, sobre família, sobre religião e o que acreditam. Pode ser o segurança do seu trabalho. Um colega mais distante de você. Podem ser pessoas de outros países! Busque entender mais as pessoas e conversar com curiosidade, não com julgamento.

Experimentando a realidade do outro: por acaso você já passou o dia sem falar? Ou, tentou fazer café de olhos fechados? Já experimentou ficar sem visão ou fala por alguns minutos? Já foi a outro país, região e frequentou os restaurantes locais? Uma ótima dica dada por Roman é experimentar a realidade do outro por algum tempo. Assim, entendemos muito melhor a sua situação.

2. Vulnerabilidade

Estar vulnerável significa estar aberto, estar exposto. Significa aceitar e mostrar as suas imperfeições. E como isso pode ser útil para a sua empresa?

Errar é inovar: tendo uma cultura corporativa que aceita erros, e não os condena, você faz com que as pessoas se sintam mais confortáveis em dar a sua opinião, em tentar coisas novas, mesmo que fracassem nas primeiras tentativas. Afinal, o erro faz parte do processo até o acerto. Você mesmo pode mostrar como já errou, aprendeu com isso e seguiu adiante.

Aceitar e trabalhar seus defeitos: outro ponto importante da vulnerabilidade é aprender a admitir e aceitar seus erros e defeitos. Afinal, a única forma de trabalhar em cima dos seus defeitos é aceitando que eles existem. Um bom líder, se quer que seu colaborador supere algum defeito que possui, deve dar o exemplo. Mostrar que também tem defeitos, mas, que trabalha e busca evoluir. E claro, mostra também que isso não é fácil, leva tempo e persistência.

Conexão: mostrar as suas vulnerabilidades é aquilo que te faz humano. É o que faz com que as pessoas se identifiquem com você, te enxergue como alguém igual a elas. Isso ajuda a criar conexão verdadeira com a sua equipe.

Para entender mais sobre o assunto, recomendo esse vídeo da pesquisadora-contadora de histórias: Brene Brown.

3. Resiliência

Resiliência, segundo o dicionário quer dizer: “capacidade de se recobrar facilmente ou se adaptar à má sorte ou às mudanças.” Ou seja, quer dizer que, mesmo com imprevistos ou cometendo erros, uma pessoa resiliente é capaz de aprender com isso e continuar seguindo em frente. E como podemos ser mais resilientes?

Ser líder não quer dizer saber tudo: isso também tem a ver com vulnerabilidade, citada ali em cima. Você não precisa saber tudo, nem acertar sempre. Você não vai perder sua credibilidade por isso. Mas, sua função é ter a humildade para saber reconhecer seus erros e rapidamente se adaptar a eles. Isso é ser resiliente.

Desenvolver inteligência emocional: para que a gente não se abale facilmente, precisamos aprender a lidar melhor com os nossos sentimentos. Inteligência emocional significa ser capaz de reconhecer seus sentimentos, mas também, não se deixar ser controlado por eles. Uma técnica para se tornar mais inteligente emocionalmente é praticar o mindfulness. Já ouviu falar?

Veja aqui algumas dicas sobre como sair do piloto automático.

4. Conexão

Essa é uma dica que tem a ver com todas as outras anteriores: criar uma conexão com as pessoas. Mas, aqui, vamos pensar em conexões além da vida profissional. A ideia é conhecer as pessoas que trabalham contigo, de verdade. Aqui vão algumas dicas para ajudar a desenvolver isso:

Saia com as pessoas fora do trabalho: marque de ir em um boliche, boteco ou rodízio de pizza com a galera. Conheça a família das pessoas, entenda como elas vivem, no que acreditam, quem são.

Não julgue, conheça: e aqui, seu objetivo não é tentar convencê-las a ser de um jeito ou de outro, que você acredita ser ideal. Mas sim, apenas entender como elas enxergam a vida, respeitá-las e fazer o máximo para aprender com elas.

 

5. Equilíbrio entre vida profissional e pessoal

Esse talvez é um dos maiores desafios não apenas para um líder, mas para qualquer pessoa. Manter uma vida saudável, equilibrada e feliz fora do trabalho é o que vai te manter bem no trabalho. E claro, como líder, sua responsabilidade em relação a isso aumenta muito. Afinal, se você estiver cansado demais, triste, com problemas pessoais, o seu desempenho vai cair e consequentemente, o de toda a sua equipe. Mas é claro, somos todos humanos e temos problemas! A questão é, um líder procura um equilíbrio e busca evoluir sempre, como profissional e como pessoa.

 

 

Quer evoluir como líder? 

É muito bom pensar em tudo isso, ainda mais num momento de instabilidade e de incertezas como hoje. Treinar a nós mesmos, nossas habilidades e visão de mundo, é o que vai fazer a gente ser um melhor profissional e líder no futuro. Se você quer saber mais sobre isso, tem o nosso Curso de Desenvolvimento Pessoal e Administrativo, juntando a parte pessoal e técnica, evoluindo sua comunicação e capacidade de trabalhar em grupo. Além de técnicas de vendas, administrativas e contábeis. É um curso completo pra você quer entrar ou evoluir dentro do mercado de trabalho!

 

Leia também:

O que são Soft Skills? E por que são tão importantes?

Como fazer um plano de ação?

Quais são as perguntas mais comuns em uma entrevista de emprego?

COMPARTILHE ESSE POST